SAÚDE MENTAL | 03.FEVEREIRO.2020

Vitamina D auxilia no combate a depressão

Não é vitamina, mas o nome pegou. A vitamina D é, na verdade, um pré-hormônio essencial para manter os níveis de cálcio e fósforo no organismo. Quando descoberta, acreditava-se que só poderíamos obtê-la por meio da comida, mas sua maior fonte é a luz solar. Já se sabe de pelo menos 2.500 funções celulares que não funcionam sem ela.

Nos últimos anos, sua ação tem sido cada vez mais associada a saúde mental. Uma pesquisa de 2018 apontou que o desenvolvimento da depressão poderia ser atenuado por níveis mais altos de vitamina D.

O estudo avaliou cerca de 4 mil pessoas com mais de 50 anos, durante seis anos, na Irlanda. Ao final desse período, os pesquisadores observaram que 400 participantes desenvolveram a doença; para aqueles com deficiência de vitamina D o risco foi 75% maior, mesmo depois de excluir outros fatores de risco, como doenças crônicas e sedentarismo.

Como o sol vira vitamina?

A radiação ultravioleta B (UVB) emitida pelo Sol é absorvida pela pele e reage com um esteroide chamado 7-Dehidrocolesterol, que se transforma em vitamina D3. Ela cai na corrente sanguínea e chega até o fígado, onde é transformada em calcifediol. Essa substância vai para os rins e, então, é convertida em vitamina D e distribuída pelo corpo.

Para produzi-la não é necessário ficar torrando. Se você tem pele clara, 15 minutos de exposição solar diária são suficientes; caso tenha a pele negra, o tempo sobe para 45 minutos. Evite os horários mais intensos, entre 10 e 16h.

Ela também pode ser encontrada em menor quantidade em alguns alimentos, como: salmão, sardinha, atum em lata, fígado e ovo. O uso de suplementos deve ser feito apenas com recomendação médica.

Os benefícios da vitamina D

  • Mantém os ossos saudáveis;
  • Alivia a asma;
  • Evita demência, esquizofrenia e bipolaridade;
  • Doenças cardiovasculares e infecciosas, diabetes, autismo e doenças autoimunes estão relacionadas à falta de vitamina D;
  • Ajuda a evitar o aparecimento de Alzheimer e outras doenças degenerativas;
  • Desacelera a progressão do câncer de mama e de próstata e pode prevenir alguns tipos da doença;
  • Reduz em 50% a possibilidade de complicações na gravidez.