OUTUBRO ROSA | 02.10.2019

Saúde da mulher: viva com mais qualidade!

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a média da expectativa de vida da mulher brasileira é de 79,1 anos. São mais de 28 mil dias para se cuidar.  Para te ajudar, separamos algumas dicas importantes sobre os cuidados necessários em cada fase da sua vida.

Após o nascimento

Os cuidados com a saúde começam logo após o nascimento. Alguns exames de triagem do recém-nascido são fundamentais para identificar, diagnosticar doenças e iniciar os tratamentos o quanto antes:

  • Teste do pezinho (de 48h até um mês após o nascimento): com uma gota de sangue extraída de um furinho no calcanhar é possível identificar uma série de doenças, como a fenilcetonúria e o hipotireoidismo congênito.
  • Teste da orelhinha (no primeiro mês de vida): com um equipamento que emite ondas sonoras no ouvido do recém-nascido, o médico analisa a resposta aos estímulos e identificar algum tipo de deficiência auditiva.
  • Teste do olhinho (na primeira semana de vida): com um instrumento para observação do interior do olho, é possível analisar se o bebê tem algum problema se visão.
  • Teste da linguinha (primeiro mês de vida): este exame serve para verificar se o freio que liga a língua do bebê à boca apresenta algum tipo de deformação. Se houver, é realizada uma pequena cirurgia para evitar complicações futuras.
  • Teste do coraçãozinho (primeiras 24  horas de vida): identifica se o bebê tem alguma doença grave no coração e, em caso positivo, é feito um ecocardiograma para confirmar – um procedimento simples, rápido e indolor.

Alguns desses exames são feitos ainda na maternidade e outros, após alta, podem ser feitos em uma Unidade Básica de Saúde (UBS).

Vacinas importantes ao nascer:
  • Dose única BCG: fortalece a imunidade e protege contra a tuberculose.
  • Hepatite B: protege contra o vírus dessa doença, que pode se tornar crônica e prejudicar a função hepática. A primeira dose é ao nascer, a segunda é 30 dias após a primeira e a terceira dose, aos seis meses de idade. Quem não recebeu todas a doses quando bebê, deve receber as três na idade adulta.

Infância

Pediatra: a primeira consulta deve acontecer do 5º ao 15º dia de vida. O retorno deve acontecer em até 30 dias após a primeira consulta, ou antes, se necessário. 

Dentista: segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), toda criança deve fazer a sua primeira visita ao dentista entre o primeiro e o terceiro mês de vida, ou antes, se tiver algum problema bucal.

O Ministério da Saúde recomenda um calendário mínimo para atendimento à criança nos 2 primeiros anos de vida: 1 mês, 2 meses, 4 meses, 6 meses, 9 meses, 12 meses, 18 meses e 24 meses.

Obesidade infantil

Os cuidados com a alimentação devem começar desde a infância para evitar o desenvolvimento da obesidade.

Antes dos seis meses o bebê precisa somente de leite materno. Depois desse período, começa a introdução de outros alimentos. Prefira fazer as papinhas em casa, com frutas e legumes frescos.

 

Adolescência

Hebiatra: médico especializado em adolescentes. Atua tanto em questões físicas, como psicológicas. Aproveite a consulta para esclarecer dúvidas sobre sexualidade, drogas, preocupações com o corpo, alimentação, entre outras.

Primeira consulta com ginecologista: deve acontecer entre os 12 e 15 anos, ou após a 1ª menstruação. Esse é o especialista capacitado para cuidar da saúde íntima da mulher e orientar sobre contracepção e doenças sexualmente transmissíveis.

Vacinas importantes:

DE 09 A 14 ANOS

Duas doses de combate ao HPV: existem dois tipos, a bivalente previne os vírus do tipo 16 e 18, relacionados a lesões genitais pré-cancerosas. A quadrivalente protege contra os vírus 6 e 11, relacionados ao aparecimento de verrugas genitais, e também contra os tipos 16 e 18. O intervalo entre as duas doses é de 6 meses.

DE 10 A 19 ANOS

  • 2ª dose da tríplice viral
  • Primeira dose da vacina dupla adulto: é indicada como reforço para tétano e difteria a cada 10 anos.

Vida adulta

Ginecologista:  as consultas devem acontecer no mínimo uma vez por ano, ou em menos tempo, se necessário.

Exame citopatológico (Papanicolau): indicado para mulheres a partir de 25 anos ou desde o início da vida sexual. Ele é fundamental para diagnosticar lesões pré-cancerígenas e outras doenças ginecológicas.

Vacinas

DE 20 a 59 ANOS

  • Tríplice viral: uma dose até 49 anos
  • Reforço dupla adulto (tétano e difteria) a cada 10 anos.

Câncer de mama

Autoexame das mamas: desde a primeira menstruação é preciso fazer o autoexame das mamas. O melhor período é na semana seguinte ao término do sangramento. As mulheres que não menstruam devem determinar um dia específico repetir o exame todo o mês. Se perceber qualquer anormalidade, procure um ginecologista ou um mastologista (especialista em mamas).

No Brasil, a idade indicada para começar a realizar o exame de mamografia é entre 50 e 69 anos, é nesta fase que ocorre 80% dos casos de câncer de mama. As pacientes sem histórico familiar da doença, devem realizar o exame a cada dois anos. Quem teve algum caso da doença na família, precisa conversar com o médico sobre a frequência da mamografia.

A terceira idade

A terceira idade pede atenção redobrada com a saúde. Doenças como diabetes, hipertensão, osteoporose, problemas cardiovasculares e cognitivos podem ser evitados se você levar uma vida saudável.

Procure pelo geriatra, médico indicado para cuidar de você nesta nova fase. Se for preciso, ele indicará o especialista adequado para cada problema. As consultas devem ser anuais ou com intervalos menores, se necessário.

Não se esqueça de fazer a sua parte. Cuide da sua saúde física, social e emocional. Mantenha uma alimentação saudável, faça exercícios físicos, check-ups e coisas que e dão prazer.

Vacinas

A PARTIR DOS 60 ANOS

  • Reforço dupla adulto (tétano e difteria) a cada 10 anos.
  • Influenza: Algumas pessoas, como idosos, crianças novas, gestantes e pessoas com alguma comorbidade possuem um risco maior de desenvolver complicações devido à influenza. A vacinação é a intervenção mais importante na redução do impacto da influenza.

Seja você sua maior prioridade, cuide da sua saúde em todas as fases da vida. Isso faz bem para você e para quem você quer bem.